Aug 152011
 

Just read this:

My name is Edgar van de Giessen. I am 45 years old and I am the son of one of the former leading feminists in Holland in the seventies of the last century. My mother was the first woman to receive the Harriet Freezer Award, given out by your organization Opzij for outstanding feminist activism.

I do not write this to seek any personal sympathy. I write this to share my heart, so that maybe one day men and women may live in love and respect, and not just in mutual legal equality.

Before I describe the personal consequences of the feminist upbringing I received as a boy between the age of 7 and 17, I want to express my respect for all women and men who rightfully protest against repression and discrimination on the basis of gender, skin color, or ethnic background.

Therefore I would like you to imagine how it is for an growing boy in the age of ten to hear every day from his mother that men are the cause of all trouble in the world, that men are guilty of all crime and war and repression in the world, that all men should be castrated after their semen has been deep-frozen to ensure the existence of the next generation, that men should live in different cities than women, so that they could all kill each other and so solve the problem of their own existence.

This is the kind of feminist teaching that I received every day, and created in me a deep mistrust in myself, in male authority, and a feeling of never being able to be good or lovable as a human being because of my maleness. This caused in me a reaction of proving my mother that at least I as her son was different than other men. This quickly turned into arrogance against other men that made me lonely and bare of friends for most of my life.

It also caused in me a hate toward women and an anger that I could only repress, because expressing it would prove my mother to be right. This repression thus turned me into a “nice” man as a compensation for the repression who then inevitably held a hidden hate and aggression against women with fantasies of rape and violence.

As a result of all of these effects of a rabid feminist’s effect on her son, I needed 25 years of therapeutic and spiritual search and deep emotional healing to begin to find my own self-value and to start to experience fulfilling relationships with myself, men and women.

The war between the sexes is still unsolved. Divorce rates speak their own sad truth. Violence between men and women still fills the newspapers and feminism has not been able to solve this problem. In my personal case, feminism itself, as it is expressed in ways your organization specifically espouses, in large part created the problems and not prevented them. And if feminism causes men to hate women by cursing the darkness and not lighting an effective candle, feminism needs to ask itself if it is aware enough of the human heart and its complexity to be able to solve the problems it describes.

When my mother was giving her feministic lectures and tirades to me as a boy, she never felt once, in all those years, how her words and energies were landing in her own son. Personal love transacts through the ability to feel what the other person is feeling while (s)he is feeling it. The emotional wounding that my mother gave me did not come only from her words, but also in her not-feeling how her words impacted me as a little boy. In these ways, my mother had her own emotional wounding that turned her into a proudly man-hating, feministic unfeeling woman whose antipathy against men in ways supported by your organization turned in me as a hate against myself and against women.

What I want to say, is that however some aspects of feminism have an important role in creating equal rights for women, feminism does not have a positive contribution to how men and women can live in respect and love for each other. My intensive feminist upbringing created exactly the opposite. An emotionally healthy man will never have any wish to oppress a woman. An emotionally healthy woman will never have any wish to beat the man with his own weapons.

The feminism of the seventies and eighties whose legacy you inherit is a reactive movement that used the same oppressive energy as it was trying to fight against, instead of working with, the real issues, and therefore can never be successful in creating an atmosphere where loving and powerful femininity could blossom in a trusting and respectful atmosphere towards male strength. I do feel and understand that women can only respect male strength if that is rooted in openhearted vulnerability, but feminism and the emancipation movement failed to bring forth a generation of such men and in itself does not have the means to do so.

In that way, the feministic movement does not and cannot acknowledge the seminal repercussions of the fact that every man is raised in large part by a woman, and that his adult relationship to women consciously and unconsciously is determined in this large part by his relationship to his mother. Why hasn’t feminism created a vision on how to raise boys into loving and strong men, upon whom women can trust and love? How can it happen that boys turn into men that repress, hate, despise or do not respect women? I am convinced, that if a boy receives healthy emotional love from his mother, this cannot happen!

It that sense, feminism has always lacked a vision of what emotional health is, how emotionally healthy love can be transacted from one human heart to the other, from mother to son, from father to daughter, from man to woman and from woman to man.

Without this vision, whose lack can never be addressed within the myopia feminism has about the human heart, regardless of gender, feminism remains a mere reactive movement that thus incorporates the very themes in men it teaches are wrong, and sadly will never allow it to ever achieve its own purpose.

Sincerely,
Edgar van de Giessen

  2 Responses to “What It’s Like To Be The Son Of A Feminist”

  1. “This quickly turned into arrogance against other men that made me lonely and bare of friends for most of my life.”

    somewhat same here, though for different reasons. I sometimes wish I hadn’t brought into the “newspapers impart knowledge” thing, should’ve been disgusted when I read of Bobbitt’s exploits as a 9-year old despite never reading anyone condemn it, or never acknowledged the “men are violent horn-dog rapists” line, even partially.

    “Why hasn’t feminism created a vision on how to raise boys into loving and strong men, upon whom women can trust and love?”

    Because the so-called equality can only be achieved by cutting down men and boys. “The hand that rocks the cradle…” line also came from a feminist?

    was reading this fedrz’s article today, and it relates to this and lays out the reality of feminism.
    http://no-maam.blogspot.com/2008/08/hate-bounces.html

  2. […] Não escrevo isto em busca de qualquer tipo de simpatia pessoal. Escrevo isto apenas para abrir o meu coração de modo a que um dia destes os homens e as mulheres possam viver em amor e em respeito – e isto não apenas ao nível de igualdade legal mútua.Antes de descrever as consequências pessoais de ter recebido uma educação feminista entre os meus 7 e 17 anos, quero expressar o meu respeito por todas as mulheres e por todos os homens que justificadamente protestam contra a repressão e descriminação baseada no género, côr da pele ou descendência étnica.Consequentemente, quero que vocês imaginem como foi, para um rapaz de 10 anos, crescer a ouvir a própria mãe dizer todos os dias que os homens são os culpados por todos os problemas do mundo. que os homens são culpados por todos os crimes e guerras do mundo, que todos os homens deveriam ser castrados depois do seu sémen ter sido congelado (de modo a garantir a existência da próxima geração), que os homens deveriam viver em cidades distintas das mulheres de modo a que eles se matassem uns aos outros e resolvessem o problema da sua existência.Este tipo de ensino feminista – que eu recebia todos os dias – criou uma desconfiança profunda em mim próprio, desconfiança em relação à autoridade do homem e um sentimento de nunca ser capaz de ser bom ou um ser humano amável devido ao facto de ser macho. Isto causou em mim a reacção de tentar provar à minha mãe que pelo menos eu, como seu filho, era diferente dos outros homens. Isto rapidamente transformou-se em arrogância em relação a outros homens, o que fez com que eu fosse solitário e parco em amigos durante grande parte da minha vida.Isto gerou também um ódio em relação às mulheres – ódio esse que eu apenas podia reprimir dentro de mim uma vez que, se eu o expressasse, provaria que a minha mãe estava certa. Esta repressão fez de mim um homem “gentil” como compensação pela repressão. Inevitavelmente isto levou a um ódio oculto e sentimentos agressivos contras as mulheres, chegando ao ponto de ter fantasias de violação e outro tipo de violência).Como efeito do feminismo radical causado no seu filho, precisei de 25 anos de terapia, busca espiritual e cura emocional profunda antes de começar a descobrir o meu valor e começar a experimentar relacionamentos satisfatórios comigo mesmo, com os homens e com as mulheres.A guerra entre os sexos continua por resolver. As taxas de divórcio relevam esta triste verdade. A violência entre os homens e as mulheres enche os jornais e o feminismo não foi capaz de resolver este problema. No meu caso pessoal, o próprio feminismo, expresso da forma que a vossa organização promove, criou (em larga maioria) os problemas e não os impediu.Se o feminismo causa a que os homens odeiem as mulheres ao amaldiçoarem as trevas em vez de acenderem uma luz, o feminismo tem que se questionar se está suficientemente ciente dos desejos e da complexidade do coração humano de modo a ser capaz de resolver os problemas que descreve.Durante todos os anos em que a minha mãe me dava as suas palestras feministas, ele não sentiu uma única vez a forma como as suas palavras e a sua energia impactavam o seu próprio filho. O amor pessoal é transaccionado através da habilidade de sentir o que o outro sente quando o outro o está a sentir.A ferida emocional que a minha mãe me deu não veio apenas das suas palavras, mas também do facto dela não ser capaz de sentir o efeito que as suas palavras tinham em mim. Visto desta forma, a minha mãe tinha as suas próprias feridas emocionais que não só a transformaram numa mulher com ódio aos homens (orgulhosamente), como também numa feminista insensível cuja antipatia contra os homens (suportada pela vossa organização) transformou-se dentro de mim em ódio contra mim mesmo e contra as mulheres.O que eu quero dizer é que, embora alguns aspectos do feminismo tenham tido papel importante em criar direitos iguais para as mulheres, o feminismo não fornece qualquer tipo de contribuição positiva para a forma como o homem e a mulher podem viver em respeito e amor um pelo outro. A minha insensível educação feminista gerou exactamente o oposto.Um homem emocionalmente saudável nunca vai ter desejos de oprimir uma mulher. Uma mulher emocionalmente saudável nunca irá agredir os homens com as armas dele.Em vez de lidar com as verdadeiras questões, o feminismo dos anos 70 e 80, cujo legado vocês herdaram, é um movimento reaccionário que usou a mesma energia opressiva contra a qual lutava. Devido a isto, o feminismo nunca pode ser bem sucedido em gerar uma atmosfera onde uma feminidade amorosa e poderosa poder brotar num ambiente de confiança e respeito em relação à força masculina.Eu sinto e entendo que a mulher só pode respeitar a força dos homens se a mesma estiver plantada na vulnerabilidade franca, mas o feminismo e o movimento de emancipação não só falharam em produzir uma geração de tais homens como também não possuem os meios para fazê-lo.Desta forma, o movimento feminista não reconhece a repercussão seminal do facto de todos os homens serem em larga maioria criados por mulheres, e que a sua relação adulta com as mulheres inconscientemente (ou não) ser determinada em grande parte pelo seu relacionamento com a sua mãe. Porque é que o feminismo não levou a cabo um plano para criar rapazes que se tornassem em homens fortes que as mulheres pudessem confiar e amar? Como é possível que os rapazes [criados pelo feminismo] tornem-se em homens de oprimem, odeiam, desprezam ou não respeitam as mulheres? Estou convencido que se um rapaz receber amor emocional saudável da sua mãe, isto nunca pode acontecer.O feminismo nunca soube o que a saúde emocional é, e como o amor saudável pode ser transmitido dum ser humano para o outro – de uma mãe para o filho, do pai para a filha, de um homem para uma mulher e de uma mulher para um homem.Sem esta visão, cuja falta nunca pode ser discutida dentro da miopia que o feminismo tem do coração humano (independentemente do género), o feminismo mantém-se como um movimento reactivo que incorpora em si mesmo as características que estão erradas nos homens, e como tal, nunca atingirá os seus próprios propósitos.Sinceramente,Edgar van de Giessen-Fonte– […]

Leave a Comment. (Remember the comment policy is in force.)

Translate »
%d bloggers like this: